Leia em: 3 minutos

Para ter uma boa gestão financeira, independentemente do tamanho de sua empresa, é preciso ter organização e utilizar ferramentas que otimizem o processo e organizem as suas finanças. Neste post, você vai ver em 4 passos como fazer um controle eficiente do seu fluxo de caixa e como esta ferramenta poderá ser o diferencial que você procura para a sua gestão financeira.

1) Entenda o fluxo de caixa

Antes de implementar o fluxo de caixa é preciso que você compreenda esta ferramenta. Apesar da indicação no nome, o fluxo de caixa deverá contar também como os valores das contas correntes e de suas aplicações de curto prazo. Isto ocorre porque estes valores são facilmente conversíveis em dinheiro, e em caso de necessidade, podem ser utilizados para o pagamento de contas do dia-a-dia.

Outros dois elementos essenciais do fluxo de caixa são as receitas e as despesas. As receitas estão relacionadas principalmente com o recebimento de clientes e outras entradas relativas à sua atividade. Já as despesas são os pagamentos de salários, impostos, fornecedores e outras contas diversas que sua empresa possui.

2) Implemente o fluxo de caixa

Para implementar o seu fluxo de caixa é preciso utilizar uma planilha eletrônica ou ainda um bom software de gestão. Na sequência será necessário definir uma data de corte para o início dos registros. Ou seja, o momento inicial para que você possa reconhecer todas as entradas e saídas do período.

Após inserir os saldos iniciais de caixa e equivalentes, adicionar as entradas e subtrair as saídas você terá o fluxo de caixa do período. Este valor representa o quanto sua organização tem livre para gastar em determinado período, podendo investir em algo ou utilizar de acordo com as necessidades urgentes.

3) Tome os cuidados necessários

Para que seu fluxo de caixa reflita a realidade de sua empresa são precisos alguns cuidados. Um dos mais importantes é separar as suas finanças das da empresa. Logo, evite usar o dinheiro da companhia para pagar contas pessoais e vice-versa.

Além disso, é preciso atualizar o fluxo de caixa diariamente para que mostre, em tempo real, se existem ou não recursos à disposição.

Outro cuidado essencial deve ocorrer com os cheques pré-datados – emitidos ou recebidos. Estes valores somente deverão ser considerados como caixa e equivalentes e registrados no seu controle de fluxo de caixa quando forem efetivamente descontados e entrarem em sua movimentação financeira.

4) Entenda as vantagens do fluxo de caixa

Agora que você já compreendeu o que é e como elaborar o fluxo de caixa, é importante que entenda as vantagens desta ferramenta. Uma das grandes possibilidades de seu uso é a criação de categorias tanto para as receitas quanto para as despesas, o que permitirá saber de onde o dinheiro vem e para onde ele vai.

Este detalhamento permite criar estratégias especiais de receitas, possibilita diminuir, substituir ou cortar custos e melhorar o impacto no seu resultado.

Outra opção inteligente do uso do fluxo de caixa é a projeção. No fluxo de caixa projetado é possível conhecer, com base em dados históricos e projeções o seu resultado para o futuro, conhecendo de forma antecipada como estarão as suas finanças, se haverá ou não folga financeira o que permite a constituição de reservas ou a busca pelas melhores formas de financiamento.

Neste post você compreendeu como elaborar o controle do fluxo de caixa, também entendeu o que esta ferramenta representa e a importância que ela tem para a boa gestão financeira do seu negócio.

Se você curtiu esse conteúdo..

Também vai gostar desse material: Controle de Custos: Como fazer e cortar gastos. Vem aprender!

Sobre o autor

José Olavo

Deixar comentário.